domingo, 25 de janeiro de 2015

Volta (dolorida) ao Pole

Gente... janeiro está sendo um mês particularmente difícil de se adaptar... rotina diferente, muito trabalho, horários escrotos... tão difícil, que não consegui parar o refrigerante como eu planejei.
Dezembro seria o ideal... mas as festas de fim de ano foram mais fortes que eu. Em diversas ocasiões, não tinha nem água pra beber, só o tal do refrigerante. O calor está particularmente insuportável aqui no RJ, então, morrer de sede está fora de cogitação e não tive outra alternativa a não ser beber o tal. E basta dar um gole... caracas! Parece uma droga, e das poderosas!

Mas então... já voltei ao pole dance e quase morri na primeira aula, já que fazia muito tempo que não mexia meu corpo de forma tão intensa. Passei mal na primeira aula, algo como uma queda brusca de pressão... que mais tarde fiquei sabendo ser o primeiro golpe da minha bactéria no estômago - o que me afastou de qualquer atividade física por 10 dias.

Voltei feliz ao pole... com incentivo do marido e com muita vontade de continuar. Ainda estou querendo adicionar as aulas de flex (tenho zero de flexibilidade, não consigo tocar meus pés, minha borboleta é patética... sou tão flexível como um boneco de madeira), mas estou vendo como encaixar isso na minha rotina, da melhor maneira possível. Quero ficar fera mesmo no pole e mais ainda no flex. Sei que vai levar tempo, tenho que perder os medos e a inibição - sim, eu tenho vergonha e tal - tenho que aprender a me jogar de verdade, sem aquele mimimi de achar que vai cair ou se quebrar toda. Não tenho receio de ficar roxa ou cheia de bolhas... foda mesmo é a frustração de no fim de um movimento, ele ficar horrendo ou eu mesma ficar horrenda. E cara... eu fico horrenda. Acho, definitivamente, que meu peso atrapalha em alguns movimentos que tinham potencial para ficarem lindos, mesmo comigo fazendo.

Mas voltei ao pole... os desejos de 2015 estão se realizando...

Restartei meu projeto de corte total de refrigerante. Ok, parei há 03 dias e parece pouco, mas pra mim, é uma vitória. Bebia fácil umas 02 ou 03 latinhas por dia e agora, passei de 03 por dia, pra nenhuma! Fui a restaurantes e resisti a tentação de pedir qualquer refrigerante e pedi matte! Só eu sei o quanto isso é difícil, afinal, sou mesmo viciada!
Ia fazer o processo que eu chamo de "Processo de Refri-Detox", que consiste em trocar o refrigerante mais radical de todos por um outro menos pior e já reduzir a frequência. Depois, substitui esse refrigerante por algo gaseificado com sabor e reduz mais a frequência... depois, para tudo! Resolvi pular etapas e parar de vez, no melhor estilo "ou vai ou racha"! Três dias... hoje SERÁ o quarto dia... Um degrau por vez!!!

sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

Por você

Lendo o penúltimo post, vi que eu estava super animada pra começar tudo, mas infelizmente meu pai ficou bastante doente logo depois... e aí começou a correria de hospital, rotina descontrolada, má alimentação, pouco sono... e tudo desandou... e vou voltar sim ao que eu queria, a realizar minhas tarefas. Meu pai sempre curtiu o fato de eu acordar cedo e do nada, ir me encontrar com um bando de gente (desconhecida) suada pra correr, se cansar e depois voltar pra casa com uma medalha. Com ele doente, perdi uns 03 eventos de corrida. Não contei pra ele, já que ficaria se sentindo culpado por eu não ter ido. E eu sei que ficaria, já que escondia quando passava mal, não me contava nada, só pra não me preocupar. Esse cara... É certo: será por ele.

quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

[Gordinha's Facts] Re-Restart

Sim, faz tempo e sim, será um restart do restart...

Passei por um turbilhão de coisas nesse fim de ano, incluindo o falecimento do meu pai no final de outubro. Foi super tenso, e de acordo com alguns amigos, não existe recuperação ou palavras de conforto para isso. Estou vivendo, seguindo em frente. E a rotina antes do meu pai me deixar me fez voltar a velhos hábitos.
Eu não bebo café, mas a correria dos dias me fez querer uma forma de cafeína além de matte e eu caí matando na coca-cola... além da habitual comida e belisquetes completamente fora do horário. O resultado disso tudo é uma alimentação horrenda (mesmo) e certamente alguns quilos a mais na balança. Não tive coragem de me pesar ainda... mas me sinto mais gorda, inchada e nenhuma roupa fica boa em mim. Pode até ficar, mas não me sinto bem... acabo usando umas roupas toscas.

Já estou na luta pra reduzir e eliminar de vez o refrigerante... o arroz já virou integral e as frituras estão  abolidas por completo na minha casa (na rua já não comia mesmo). A rotina de exercícios está voltando aos poucos a normalidade e o foco está de volta. Tudo num rítmo mais ameno, mas relax mesmo, mais calmo. Não dá pra sair atropelando e tentar fazer tudo ao mesmo tempo.

E mesmo comigo ainda meio “lenta”, fui numa nova endocrinologista, indicada por uma amiga. Ela está se dando super bem com a médica e resolvi arriscar. As vezes você precisa arriscar pra tentar encontrar a pessoa certa, o médico que finalmente vai te colocar no caminho, mas não foi dessa vez. A consulta foi bastante rápida, não achei legal, e ela mal olhou pra mim. Contei pra ela dos meus encontros e desencontros com outras médicas, mas ela não me deu uma sub-orientação nem nada. Me pediu um monte de exames de sangue, o que até achei bem correto, e me passou uma dieta. E foi aí que eu “joguei a mesinha pro alto”. Poxa... endocrinologista não passa dieta e sim, nutricionistas e dos bons! Joguei a dieta literalmente no lixo. Não pelo fato de uma endocrinologista ter me passado, afinal, já conheci endocrinos que passaram dietas completas e que faziam todo o sentido, mas não combinavam comigo. Essa, em especial, passou uma dieta de maromba, com whey protein substituindo refeições e tudo o mais. Baseado no que? 10 minutos de conversa? Não, não, não. Tratei logo de procurar outra e das excelentes.

E dezembro é um mês gordo né... e eu resolvi me desafiar em dobro (ou triplo?) retornando a rotina justamente no mês onde tem umas 6826 festas de fim de ano pra ir, amigo oculto, barzinho, lanche com as amigas... Mas não posso perder o foco! As vezes deslizo mesmo... naquele almoço com a mãe ou naquele passeio no shopping com a sobrinha (onde, após séculos, tomei uma casquinha de uma famosa rede de fast food e saí da minha semi-dieta).

Já estou vendo trabalhando nos horários pra casar minhas atividades físicas com o horário de trabalho... algumas com maior intensidade, outras menores. Nesse momento dá vontade de fazer umas 27172984178 atividades diferentes, como se o tempo (e o trabalho) não fosse um limitador... estou vendo as melhores coisas. Tudo vai se encaixar e no fim, vai dar tudo certo.

domingo, 5 de outubro de 2014

Peraí... (re)start?

Sim!!! (RE)start!
Eu já estava fazendo exercícios, mas não estava focando na alimentação nem controlando numa planilha nem nada... Agora vou passar a anotar e a me policiar.
Ok, as coisas seriam mais interessantes se o Márcio Atalla ficasse ao meu lado, durante toooodo o dia, me dizendo o que fazer, como fazer e quando fazer - além do que comer! Mas não rola! Então... vou de controle na planilha, no calendário, na balança, no espelho...

Quero mesmo um corpo melhor, saúde melhor, auto-estima melhor... e querer é poder. O poder no sentido de que sim, você pode fazer... e no sentido de ter poder para mudar, ser super poderoso!

sábado, 4 de outubro de 2014

[Gordinha's Facts] #HotBody

Ando com o meu projeto #hotbody meio parado... quer dizer, ANDAVA. Explicarei.

Uma amiga que fiz na casa da minha madrinha entrou em contato comigo no whatsapp na sexta-feira (ontem) perguntando sobre exercícios físicos que ela poderia fazer afim de perder peso... Ela começou perguntando sobre abdominais, e fui explicando mil coisas (inclusive cortei o abdominal da lista dela - por enquanto).
A medida que eu ia falando, percebi que sabia de muitas coisas relacionadas a prática de exercícios, a vida saudável, alimentação, rotina... só que ao mesmo tempo, percebi que não fazia nada daquilo! Falei sobre dietas, repudiei dietas malucas, frisei o consumo de água - sim, da ÁGUA que eu mesma não bebo - e de alimentos saudáveis e frutas. Falei mal dos refrigerantes e de muitas outras coisas.

Reparei que eu sempre tive a faca, o queijo, o guardanapo e até um copo de suco nas mãos, mas nunca usei. Minhas "n" idas e vindas de nutricionistas contribuiu pro meu conhecimento das regras do que pode e do que não pode e sim, carboidrato PODE! Além disso, contribuiu para minha facilidade em dividir os horários de alimentação e o que comer em cada tempo, dentro daquela regra de ouro: de 3 em 3 horas. Conversei muito com a Sandra - esse é o nome da amiga - e depois reli a conversa toda. Foi tenso ler tudo o que eu disse pra ela, ver que eu sabia de tudo e não aplicava. Mas aí, junto com ela, tive a ideia de, juntas, colocarmos uma meta pessoal para cada uma. Colocamos nossos desejos na bandeja e resolvemos subir um degrau de cada vez. 
Sim, até com a meta eu me preocupei. Sei que a gente tem aquela ânsia de chegar num resultado, mas se colocamos uma meta surreal e não a alcançamos, ficamos frustradas e desistimos de tudo. Não paramos nem pra olhar aquele quilinho que perdemos ou aquela afinada no rosto. Pensando nisso, foquei na ideia da meta mensal... o que é bacana, e vamos tentar nos superar a cada mês.

A ideia está muito legal, bacana... mas e ai? Vai pra frente?  

Sim!!! Vai pra frente!! Entre dicas de exercícios, comidas, hábitos e etc, vou começar falando do planejamento e como vamos seguir. Achei legal a ideia de imprimir um calendário do mês corrente tipo esse aí embaixo e escrever MESMO os deslizes, os dias que fez exercícios, os dias que não fez... vai servir pra anotar a meta e as medidas/peso do primeiro dia. Achei legal também nos pesarmos toda semana ou quinzenalmente para não ficarmos neuróticas com a balança. 



Uma coisa muito legal que me explicaram sobre a grande questão de gordura x massa magra é que a gordura ocupa mais espaço, enquanto a massa magra pesa mais, apesar de não ter tanto volume. Então, vai ter uma hora em que essa pesagem quinzenal vai se tornar mensal e os resultados vão vir no espelho, nas roupas e nos elogios.

Além da ideia do calendário (que será devidamente colado na porta do armário por dentro - e ninguém precisa ficar vendo, já que é uma coisa pessoal, que só interessa a você), tem ainda o fato de cortar as frituras e reduzir doces e massas. A alimentação é um capítulo a parte e farei um post aqui mostrando uma planilha de substituições que estou fazendo. Além disso tudo temos o planejamento dos exercícios: Sandra caminha e eu corro. Sim, basicamente isso. 
A ideia dos exercícios é não ficar parado. Não adianta mudar os hábitos e não fazer nada... cada uma está fazendo o exercício que pode e que gosta. Há outros, mas nossa rotina mega cheia não consegue se adaptar. 

E sempre vão ter sempre novidades por aqui...  Os deslizes, as vitórias, as fotos inciais (somente da balança), os starts, os stops, evoluções... tudo vem por aqui.

Dizem que fazer uma atividade com alguém, te motiva, te dá o UP pra continuar. To acreditando nisso: mesmo morando a bons quilômetros de distância da Sandra, me sinto próxima dela com relação a realização dos exercícios e das metas que colocamos para nós mesmas. 
Acho que o mais importante nessa empreitada é sermos honestas com nós mesmas. Não vai adiantar nada querer um #HotBody e ficar pensando, deitada no sofá, em como seu corpo ficaria e não levantar e tomar uma atitude.

Meu (re)start será na segunda, dia 06/10. E o seu?

quinta-feira, 21 de agosto de 2014

Aquela mudança!!!

E eis que logo após o post motivacional, resolvi fazer matrícula na academia que tem AO LADO do local onde eu trabalho. E sabe que está dando certo?
As vezes vou antes de chegar ao trabalho pq dá tempo, já tentei ir na hora do almoço, mas o vestiário mais parece uma luta épica entre mulheres e já experimentei ir após o meu expediente.

Gente... to me esforçando, vai...

domingo, 17 de agosto de 2014

Motivacional

Olha essa mensagem, que linda...
É da Clarice Lispector - se não conhece, passe a conhecer.

Usei como parte de uma mensagem de felicitações pelo 31º aniversário de uma amiga. Amiga essa que acabou me inspirando no post da crise dos 30.
Ela ficou muito ansiosa na chegada dos 30 anos e quando viu, já estava prestes a completar 31. Simplesmente o ano passou! E o que foi feito???

E ai? Vamos fazer alguma coisa?

"Sonhe com o que você quiser.
Vá para onde você queira ir.
Seja o que você quer ser, porque você possui apenas uma vida e nela só temos uma chance de fazer aquilo que queremos.
Tenha felicidade bastante para fazê-la doce.
Dificuldades para fazê-la forte.
Tristeza para fazê-la humana.
E esperança suficiente para fazê-la feliz."