segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

Unhas da Discórdia

Aconteceu um fato engraçado aqui em casa no sábado e que se estendeu até hoje (e que eu preciso colocar aqui como uma forma de desabafo, já que com quem quero gritar e destilar todas as palavras mais ardidas eu não posso).
Comprei um vestido (lindo, preto, TQC, fantástico) para ficar de sobreaviso no meu armário, pois nunca se sabe quando vai surgir um evento - que acabou surgindo - e se tem de estar linda. Pois bem, deixei meu vestido dentro do saquinho da loja em cima de um sofá que fica no meu quarto. Ninguém mexe, então, não me preocupei. No dito sábado, cheguei em casa e vi que haviam mexido em absolutamente todas as minhas coisas no quarto. As pessoas aqui de casa acham que arrumar é simplesmente um ato superficial, isto é, tem de parecer arrumado e para isso, pegaram as coisas que estavam em cima do sofá e jogaram - literalmente - dentro do armário, inclusive meu saquinho com o vestido novo. Imaginem a minha cara quando abri meu armário e vi aquele caos?!? Fiquei arrasada, mas tudo bem, comecei a pegar as coisas para arrumar, separar roupas da semana para lavar (já que haviam juntado tudo...) e foi aí que aconteceu.
Quando fui pegar o saquinho do vestido, ele estava estranhamente aberto, sabe quando o saco de batatas está aberto no chão da feira para que as batatas fiquem expostas? Pois é, o saquinho do meu vestido estava assim, mas com um PLUS: um punhado de unhas cortadas, aparentemente de Pé, estavam em cima do meu vestido, dentro do saquinho. Fiquei completamente enojada e ao mesmo tempo com ódio. Como assim... UNHAS?!?!?!?!?!?
Saí pela casa indignada e a primeira a saber de minha surpresa com mais detalhes foi a Jô. Como ela estava ali, diante de mim e com a mesma cara de nojo, perguntei se havia sido ela (sabia que não, afinal, ela mal tem unha nos pés e nas mãos para cortar daquele jeito que havia encontrado) e é óbvio que não havia sido. Meu coração sabia, minha cabeça sabia. Obviamente perguntei a minha madrinha, que não sei por que, mas de uns meses para cá, vem dando uma de sabotadora. Juro: ao primeiro momento, não desconfiei dela, mas aí...
Po, ela disse que não foi, que aquilo era maluquice (concordo!!!) e eu resolvi perguntar para a outra moça que trabalha aqui em casa. Era dia de folga dela, mas não me intimidei em ligar para perguntar. Ela ficou indignada e tudo o mais, mas disse que não foi ela. Acreditei, afinal, por mais que ela corte as unhas dos pés na minha casa, ela sempre corta no chão da área de serviço, onde tem mais luz. E o papo foi morrendo, porque não foi ninguém.. ninguém sabia de nada, ninguém viu nada... e eu deixei para lá, a tempo de ouvir minha madrinha dizer que o Bombeiro Hidráulico da Fabrimar havia estado no meu banheiro... já perceberam onde eu quero chegar né? Lembra que eu disse que não desconfiei dela no primeiro momento? Mas como não desconfiar de uma pessoa que acaba insinuando que pode ter sido o Bombeiro? Que o cara tirou as botas, as meias e se sentou confortavelmente no meu sofá, sabendo do meu vestido novo no saquinho, corta as unhas e coloca lá pra eu ficar "putinha"??? POR-RA!!!
Aí eu comecei a achar tudo muito estranho, mas o papo morreu. Peguei meu vestido, lavei e esqueci da história. Até onde foi possível.
Hoje, a moça que estava de folga teria de trabalhar na minha casa e ela não foi. Não perguntei o motivo e meu dia seguiu tranquilo, até agora à noite. Minha madrinha vem me dizer que a moça não veio trabalhar por minha causa. WTF???? Como assim? Tive que perguntar o que eu fiz para que ela não viesse trabalhar. Alegou que estava muito sentida, abalada emocionalmente por eu pensar que pudesse ter sido ela no caso do "Mistério das Unhas". Ui! Magoei litros! Não! Achei o fim do mundo dar uma desculpa babaca para não vir trabalhar. Era melhor ter inventado uma dor de barriga foda.
No fim das contas, falei um pouco do que eu queria para a minha madrinha, nenhuma mentira. Que perguntei a todos da casa, inclusive ao meu padrinho. Não acusei ninguém. Perguntei para tentar chegar na pessoa, não cheguei e parei. Minha madrinha esqueceu que foi ela mesma quem sugeriu, além do Bombeiro da Fabrimar que a própria moça poderia tê-lo feito (essa parte eu deixei quieta). E ela acabou colocando culpa na moça da loja, sendo que eu tirei o vestido mil vezes do saquinho para mostrar para as amigas, para os amigos e para a mamãe (e não tinha unha nenhuma); e acabou chamando a Jô - aquela fofa, que eu mega adoro - de MACUMBEIRA!!! Fiquei puta pra caralho. E o "macumbeira" saiu como se ela tivesse dito a maior verdade do mundo.
Fiquei bem chateada mesmo. Se ela fosse macumbeira, ela também não teria absolutamente nada a ver com isso e para mim, a religião não reflete o caráter de uma pessoa, vide a sabotadora, que é católica e acha que está acima de muita gente pois frequenta a igreja, às vezes, aos domingos. Além disso, achei que a moça que faltou hoje merecia o oscar... hahahahahahahaha. Quando ela vier na quarta-feira, vou ter uma conversa com ela, olhando pra ela e vai ser aquilo: se tudo acabar bem, bacana; se não, bacana!
Caguei #mil.

3 comentários:

Mariana Statzner disse...

Sabotadora foi ótimo!!!! Foi uma boa maneira de desabafar, Debby! Cada coisa que a gente é obrigado a ver... relaxa!

Igor disse...

Ah, relaxa... Conviver tem dessas coisas. =PP Ps: o mistério permanece... rsrsrsrs =PP

Beijos!

Brechó Esse Não me Pertence Mais disse...

Oi Débora! Infelizmente a jaqueta deve ficar pequena em 42, ela é bem justa já pro 38.
Mas todo dia estarei postando coisas novas! Fica de olho por lá!

Beijos!!
Luana
http://essenaomepertencemais.blogspot.com