sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

Por você

Lendo o penúltimo post, vi que eu estava super animada pra começar tudo, mas infelizmente meu pai ficou bastante doente logo depois... e aí começou a correria de hospital, rotina descontrolada, má alimentação, pouco sono... e tudo desandou... e vou voltar sim ao que eu queria, a realizar minhas tarefas. Meu pai sempre curtiu o fato de eu acordar cedo e do nada, ir me encontrar com um bando de gente (desconhecida) suada pra correr, se cansar e depois voltar pra casa com uma medalha. Com ele doente, perdi uns 03 eventos de corrida. Não contei pra ele, já que ficaria se sentindo culpado por eu não ter ido. E eu sei que ficaria, já que escondia quando passava mal, não me contava nada, só pra não me preocupar. Esse cara... É certo: será por ele.

quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

[Gordinha's Facts] Re-Restart

Sim, faz tempo e sim, será um restart do restart...

Passei por um turbilhão de coisas nesse fim de ano, incluindo o falecimento do meu pai no final de outubro. Foi super tenso, e de acordo com alguns amigos, não existe recuperação ou palavras de conforto para isso. Estou vivendo, seguindo em frente. E a rotina antes do meu pai me deixar me fez voltar a velhos hábitos.
Eu não bebo café, mas a correria dos dias me fez querer uma forma de cafeína além de matte e eu caí matando na coca-cola... além da habitual comida e belisquetes completamente fora do horário. O resultado disso tudo é uma alimentação horrenda (mesmo) e certamente alguns quilos a mais na balança. Não tive coragem de me pesar ainda... mas me sinto mais gorda, inchada e nenhuma roupa fica boa em mim. Pode até ficar, mas não me sinto bem... acabo usando umas roupas toscas.

Já estou na luta pra reduzir e eliminar de vez o refrigerante... o arroz já virou integral e as frituras estão  abolidas por completo na minha casa (na rua já não comia mesmo). A rotina de exercícios está voltando aos poucos a normalidade e o foco está de volta. Tudo num rítmo mais ameno, mas relax mesmo, mais calmo. Não dá pra sair atropelando e tentar fazer tudo ao mesmo tempo.

E mesmo comigo ainda meio “lenta”, fui numa nova endocrinologista, indicada por uma amiga. Ela está se dando super bem com a médica e resolvi arriscar. As vezes você precisa arriscar pra tentar encontrar a pessoa certa, o médico que finalmente vai te colocar no caminho, mas não foi dessa vez. A consulta foi bastante rápida, não achei legal, e ela mal olhou pra mim. Contei pra ela dos meus encontros e desencontros com outras médicas, mas ela não me deu uma sub-orientação nem nada. Me pediu um monte de exames de sangue, o que até achei bem correto, e me passou uma dieta. E foi aí que eu “joguei a mesinha pro alto”. Poxa... endocrinologista não passa dieta e sim, nutricionistas e dos bons! Joguei a dieta literalmente no lixo. Não pelo fato de uma endocrinologista ter me passado, afinal, já conheci endocrinos que passaram dietas completas e que faziam todo o sentido, mas não combinavam comigo. Essa, em especial, passou uma dieta de maromba, com whey protein substituindo refeições e tudo o mais. Baseado no que? 10 minutos de conversa? Não, não, não. Tratei logo de procurar outra e das excelentes.

E dezembro é um mês gordo né... e eu resolvi me desafiar em dobro (ou triplo?) retornando a rotina justamente no mês onde tem umas 6826 festas de fim de ano pra ir, amigo oculto, barzinho, lanche com as amigas... Mas não posso perder o foco! As vezes deslizo mesmo... naquele almoço com a mãe ou naquele passeio no shopping com a sobrinha (onde, após séculos, tomei uma casquinha de uma famosa rede de fast food e saí da minha semi-dieta).

Já estou vendo trabalhando nos horários pra casar minhas atividades físicas com o horário de trabalho... algumas com maior intensidade, outras menores. Nesse momento dá vontade de fazer umas 27172984178 atividades diferentes, como se o tempo (e o trabalho) não fosse um limitador... estou vendo as melhores coisas. Tudo vai se encaixar e no fim, vai dar tudo certo.

domingo, 5 de outubro de 2014

Peraí... (re)start?

Sim!!! (RE)start!
Eu já estava fazendo exercícios, mas não estava focando na alimentação nem controlando numa planilha nem nada... Agora vou passar a anotar e a me policiar.
Ok, as coisas seriam mais interessantes se o Márcio Atalla ficasse ao meu lado, durante toooodo o dia, me dizendo o que fazer, como fazer e quando fazer - além do que comer! Mas não rola! Então... vou de controle na planilha, no calendário, na balança, no espelho...

Quero mesmo um corpo melhor, saúde melhor, auto-estima melhor... e querer é poder. O poder no sentido de que sim, você pode fazer... e no sentido de ter poder para mudar, ser super poderoso!

sábado, 4 de outubro de 2014

[Gordinha's Facts] #HotBody

Ando com o meu projeto #hotbody meio parado... quer dizer, ANDAVA. Explicarei.

Uma amiga que fiz na casa da minha madrinha entrou em contato comigo no whatsapp na sexta-feira (ontem) perguntando sobre exercícios físicos que ela poderia fazer afim de perder peso... Ela começou perguntando sobre abdominais, e fui explicando mil coisas (inclusive cortei o abdominal da lista dela - por enquanto).
A medida que eu ia falando, percebi que sabia de muitas coisas relacionadas a prática de exercícios, a vida saudável, alimentação, rotina... só que ao mesmo tempo, percebi que não fazia nada daquilo! Falei sobre dietas, repudiei dietas malucas, frisei o consumo de água - sim, da ÁGUA que eu mesma não bebo - e de alimentos saudáveis e frutas. Falei mal dos refrigerantes e de muitas outras coisas.

Reparei que eu sempre tive a faca, o queijo, o guardanapo e até um copo de suco nas mãos, mas nunca usei. Minhas "n" idas e vindas de nutricionistas contribuiu pro meu conhecimento das regras do que pode e do que não pode e sim, carboidrato PODE! Além disso, contribuiu para minha facilidade em dividir os horários de alimentação e o que comer em cada tempo, dentro daquela regra de ouro: de 3 em 3 horas. Conversei muito com a Sandra - esse é o nome da amiga - e depois reli a conversa toda. Foi tenso ler tudo o que eu disse pra ela, ver que eu sabia de tudo e não aplicava. Mas aí, junto com ela, tive a ideia de, juntas, colocarmos uma meta pessoal para cada uma. Colocamos nossos desejos na bandeja e resolvemos subir um degrau de cada vez. 
Sim, até com a meta eu me preocupei. Sei que a gente tem aquela ânsia de chegar num resultado, mas se colocamos uma meta surreal e não a alcançamos, ficamos frustradas e desistimos de tudo. Não paramos nem pra olhar aquele quilinho que perdemos ou aquela afinada no rosto. Pensando nisso, foquei na ideia da meta mensal... o que é bacana, e vamos tentar nos superar a cada mês.

A ideia está muito legal, bacana... mas e ai? Vai pra frente?  

Sim!!! Vai pra frente!! Entre dicas de exercícios, comidas, hábitos e etc, vou começar falando do planejamento e como vamos seguir. Achei legal a ideia de imprimir um calendário do mês corrente tipo esse aí embaixo e escrever MESMO os deslizes, os dias que fez exercícios, os dias que não fez... vai servir pra anotar a meta e as medidas/peso do primeiro dia. Achei legal também nos pesarmos toda semana ou quinzenalmente para não ficarmos neuróticas com a balança. 



Uma coisa muito legal que me explicaram sobre a grande questão de gordura x massa magra é que a gordura ocupa mais espaço, enquanto a massa magra pesa mais, apesar de não ter tanto volume. Então, vai ter uma hora em que essa pesagem quinzenal vai se tornar mensal e os resultados vão vir no espelho, nas roupas e nos elogios.

Além da ideia do calendário (que será devidamente colado na porta do armário por dentro - e ninguém precisa ficar vendo, já que é uma coisa pessoal, que só interessa a você), tem ainda o fato de cortar as frituras e reduzir doces e massas. A alimentação é um capítulo a parte e farei um post aqui mostrando uma planilha de substituições que estou fazendo. Além disso tudo temos o planejamento dos exercícios: Sandra caminha e eu corro. Sim, basicamente isso. 
A ideia dos exercícios é não ficar parado. Não adianta mudar os hábitos e não fazer nada... cada uma está fazendo o exercício que pode e que gosta. Há outros, mas nossa rotina mega cheia não consegue se adaptar. 

E sempre vão ter sempre novidades por aqui...  Os deslizes, as vitórias, as fotos inciais (somente da balança), os starts, os stops, evoluções... tudo vem por aqui.

Dizem que fazer uma atividade com alguém, te motiva, te dá o UP pra continuar. To acreditando nisso: mesmo morando a bons quilômetros de distância da Sandra, me sinto próxima dela com relação a realização dos exercícios e das metas que colocamos para nós mesmas. 
Acho que o mais importante nessa empreitada é sermos honestas com nós mesmas. Não vai adiantar nada querer um #HotBody e ficar pensando, deitada no sofá, em como seu corpo ficaria e não levantar e tomar uma atitude.

Meu (re)start será na segunda, dia 06/10. E o seu?

quinta-feira, 21 de agosto de 2014

Aquela mudança!!!

E eis que logo após o post motivacional, resolvi fazer matrícula na academia que tem AO LADO do local onde eu trabalho. E sabe que está dando certo?
As vezes vou antes de chegar ao trabalho pq dá tempo, já tentei ir na hora do almoço, mas o vestiário mais parece uma luta épica entre mulheres e já experimentei ir após o meu expediente.

Gente... to me esforçando, vai...

domingo, 17 de agosto de 2014

Motivacional

Olha essa mensagem, que linda...
É da Clarice Lispector - se não conhece, passe a conhecer.

Usei como parte de uma mensagem de felicitações pelo 31º aniversário de uma amiga. Amiga essa que acabou me inspirando no post da crise dos 30.
Ela ficou muito ansiosa na chegada dos 30 anos e quando viu, já estava prestes a completar 31. Simplesmente o ano passou! E o que foi feito???

E ai? Vamos fazer alguma coisa?

"Sonhe com o que você quiser.
Vá para onde você queira ir.
Seja o que você quer ser, porque você possui apenas uma vida e nela só temos uma chance de fazer aquilo que queremos.
Tenha felicidade bastante para fazê-la doce.
Dificuldades para fazê-la forte.
Tristeza para fazê-la humana.
E esperança suficiente para fazê-la feliz."

sexta-feira, 15 de agosto de 2014

[Gordinha's Facts] Crise dos 30

To numa fase engraçada, de querer otimizar as coisas, de querer fazer dar certo. Desde uma receita nova e um aplicativo no celular até a minha relação com as pessoas. Sim, pessoas de um modo geral. To mudando e acabando por me convencer de que pode ser a crise dos 30.
Sim, estou quase nos trinta. E existe um papo torto de que as coisas ficam mais difíceis de resolver aos trinta - isso vai de problemas familiares, passando pelo ponteiro da balança e chegando ao cabelo que jamais será o mesmo. Bom, na falta de justificativa melhor, deve ser isso mesmo.

Eliminei pessoas na minha vida que eu percebi serem completamente nocivas, que não acrescentavam em nada, cujo grande objetivo na vida era fazer e ver o mal. Já foram tarde! Outras estão em fase de eliminação... deixei numa espécie de cantinho da recuperação e estou aguardando cenas dos próximos capítulos para decidir o futuro destas.

Resolvi investigar meus problemas de saúde, que passam pelas gripes misteriosas (que descobri ser uma mega crise alérgica, da qual já estou em tratamento) e cutucam a obesidade que me acomete, fazendo com que toda a análise do meu sangue seja a de um sedentário de 50 anos. E essa questão me incomoda, me fazendo pensar que tenho mais alguma coisa que não sei - além de sobrepeso - já que pratico exercícios regularmente e o ponteiro da balança e os ponteiros dos gráficos do exame de sangue não mudam de lugar.

Quanto ao sangue... estou indo a minha médica regularmente, que está me acompanhando de perto e me incentivando bastante a continuar com as consultas regulares. Quanto ao ponteiro da balança... não poderia estar mais feliz: voltei a treinar para correr. Longe do ideal, mas voltei. Ainda não consigo treinar por todos os dias da semana, mas fico bastante satisfeita ao treinar 3x. Não posso voltar com a corda toda, afinal, estou bem acima do peso e não posso correr o risco de estourar os meus joelhos por uma imprudência dessas. Estou indo devagar e o importante é que eu estou indo.
Voltei a participar dos eventos de corrida - que deram uma parada durante a copa do mundo - e devo dizer com orgulho que, sem treino adequado, apenas tentando retornar, já fiz uma prova de 5km em 41 minutos. Você pode até achar que o tempo foi uma piada, mas na verdade, foi uma vitória, afinal, eu fazia os mesmos 5km em 55 minutos. Com base nesse tempo, comecei a traçar metas de reduzir o tempo, mas pouco, de forma gradativa, pois sei que não é algo que vem da noite pro dia.

Coloquei em algum post aqui pelo blog que gosto de me dar um incentivo quando as coisas começam a dar certo (como voltar a treinar e me consultar com médicos) e resolvi me dar um tênis novo. Sou a louca dos sapatos, mas acredite ou não, só tenho um par de tênis. Quero outro para deixar na gaveta do trabalho, para usar exclusivamente na academia, que é ao lado do trabalho (literalmente).

E os 30 estão chegando... e eu penso que devo me alimentar como uma pessoa responsável de 30 anos, que pensa no futuro, que pensa num corpo mais saudável... e droga!!! Nisso eu estou falhando. Não sou disciplinada com dietas e isso estar gravado em cada célula do meu corpo faz com que eu acredite isso firmemente e jogue qualquer plano de dieta pelos ares. Mas isso tem de mudar!!! E esse é o meu maior desafio: finalmente seguir um roteiro correto de dietas.
Usamos muitas desculpas pra dizer que dietas não funcionam ou que só funcionam pra quem não faz nada o dia inteiro e tem tempo de ficar em casa fazendo comidinhas saudáveis e postando no instagram. Mas a verdade é que comer bem é fácil... vamos ser justos e lógicos: fazer um frango grelhado é bem mais simples do que fazer uma rabada com agrião... não disse mais saboroso, mas em facilidade, ganha em horas de economia na cozinha. Só pra constar: ODEIO frango grelhado e algumas de suas variações.
Mas levar essa vidinha saudável toda requer uma parcela maior de tempo quando o assunto é o hortifruti e uma parcela maior de grana quando o assunto é light ou diet. Sim, ser saudável é mais caro.
Mas eu tento, faço trocas que considero inteligentes, corto a maioria dos doces, refrigerante... fico o fim de semana adiantando comidas para a semana, mas sempre pensando na quantidade de sal ou óleo na comida... coloco chia nas coisas, coloco farelo de trigo no arroz... enfim, pra no final achar que tudo foi em vão, pois parece que nada muda.
Mas sabe que já pensei que a grande vilã de todas pode ser a palavra dieta? Mas aí inventaram reeducação alimentar, o que pra bom entendedor de língua portuguesa e de comida tem o mesmo significado que dieta, que controle de porções... e por aí vai.
O desafio é encontrar uma boa nutricionista... a gente tem de se amar... mesmo que seja uma relação de amor e ódio. Mas você vem e pergunta: mas você não tinha gostado da outra nutricionista??? E eu respondo que sim, mas ela tem um grave problema de horário e eu não tenho esse tempo a perder.
A busca vai bem... vou informando.

Agora é só ir levando as mudanças adiante...
Não pode ficar pior do que tá né... ou pode?!?!?


sexta-feira, 20 de junho de 2014

[Gordinha's Facts] Aquela rotina...

Tem gente que curte malhação... e não estou falando na novelinha da TV!
Tem gente que gosta mesmo daquela rotina de malhar todos os dias, de ver as mesmas pessoas todos os dias, nos mesmos horários... aquela coisa de puxar ferro, respiração correta (ou tentativa), abdômen contraído, bebidas estranhas (de gostos e cores) e muito suor. Muito mesmo. Essa é uma rotina que não combina comigo, por mais que eu tenha tentado.
Faz um tempo que me inscrevi na academia, e acho que posso contar nas mãos quantas vezes malhei de verdade. Reparem que eu não disse que não frequento a academia, estou me referindo mesmo ao fato exclusivo de malhar. Eu vou na academia pra correr. E muito. Paguei a academia com este único objetivo e a malhação veio no pacote. Sei que é importante malhar pra ter tônus muscular, ganhar resistência e força e de quebra, fortalecer os músculos que preciso para continuar minha prática de corrida.

Malhar é chato! E fica mais chato quando tenho que pedir pro amiguinho sair do aparelho para que eu use. Não, ele não está malhando, mas apenas sentado conversando com o colega. Foda né? Mas enfim... já falei da malhação dos outros e tal... mas e a minha?
Faz tempo que não frequento. Entrei em março e fui quase todos os dias... em abril, já não fui tanto e em maio... eu entrei de férias do trabalho e tinha mais tempo livre e... NÃO FUI! A rotina de exercícios acaba comigo. Ok, você pode estar achando que eu não fiz nada, que não frequento a academia... mas isso não é verdade. Eu adoro me exercitar, mas eu gosto de coisas diferentes. Cheguei a pagar um mês de Muay Thai na minha academia só pra poder variar um pouco durante as férias e adorei! Então, frequentei a academia nos dias de luta e nos dias para correr. Se eu malhei??? Não mesmo!

Mas o mês de maio foi um mês ruim pra mim... fiquei muito doente em alguns dias do mês, o que acabou com a minha sequência de treinos. Cheguei a ir aos exercícios mesmo doente, mas não valeu a pena, já que tinha que parar e acabava indo embora, bastante cansada e cheguei a ficar bem debilitada.

A natação eu parei por um motivo de força maior: MEU CABELO! Sim, o cabelo. Fiz tranças no cabelo e além de não poder ficar molhando todos os dias, as tranças não cabem na touca. Mas eu vou voltar sim... vou acabar dando um jeito nessa questão da touca e voltarei a nadar. Faz um bem danado.

Estou me cuidando quanto a essas doenças misteriosas e tal... mas estou sempre me esforçando e tentando me exercitar sempre que possível. Dia desses eu estava super doente, mas fui a academia e corri 7km. Me senti bem demais, mas sei que não posso ficar exagerando em meio a doença.
Dei sim uma parada na luta, mas só na minha academia oficial, já que fica longe da minha casa, mas perto do meu trabalho... se eu estava de férias, faça as contas! E por isso paguei o mês de luta na minha academia e gostei muito - devo continuar pagando, mesmo só podendo ir aos sábados.

Odeio rotinas, é verdade... mas tenho feito várias coisas pra driblá-la! Ok, não estou dando o meu máximo... mas isso vai mudar... estou com um projeto aí que vai ter de dar certo! Vou postar quase sempre!!! Tentativa de fazer postagens um dia sim e dois não, com fotos!!! Não, não... nada de foto na academia... acho meio escroto, pq vc vai lá pra correr/malhar/nadar/lutar e não pra uma sessão fotográfica.
Depois da minha decepção com a minha dieta - ela não é ruim, eu é que não fui disciplinada - eu resolvi dar uma guinada em tudo e modificar alguns hábitos alimentares. Vou postar as fotos aqui! Prometo!
Me aguardem!

sábado, 14 de junho de 2014

Diabetes - Capítulo 05 - final????

Séculos sem vir ao blog né... caracas... mas cheia de coisas no dia a dia e eu simplesmente esqueço de vir aqui. Às vezes estou cheia de coisas pra dizer e tal... mas acabo conversando com o Bob e me sinto aliviada e sem necessidade de desabafar por aqui. Ah... quem é Bob? Meu amigo imaginário! Hahahahahahaha...

Mas então... to gorda! Sim! GORDA! Mas estou feliz. Claro que não devo me acomodar com essa situação, mas acho que estar feliz é uma motivação interessante para seguir em frente, viver o dia, viver um dia de cada vez. Claro que tenho que emagrecer. Todos os meus médicos me dizem isso e agora, mais do que nunca, devo aceitar. Doenças esquisitas me acometem, coisas que certamente não teria se estivesse com a saúde mais em dia. Acho que meu peso passou da fase da vaidade e entrou, definitivamente, no hall da saúde.

Mas antes de contar e chorar as pitangas que me acometem ultimamente, vou encerrar, dando margem para uma continuação da jornada, os capítulos da diabetes.
Da última vez que eu andei por aqui, estava prestes a ir a uma nova nutricionista e estava bem satisfeita com o atendimento e esclarecimentos que a nova endocrinologista tinha me dado. O dia da nutricionista não demorou muito a chegar e eu gostei bastante, já que ela agiu do modo que eu sempre quis: querendo, antes de me passar qualquer dieta, saber dos meus hábitos alimentares e principalmente dos meus horários. Ela montou uma dieta que eu chamo de REALISTA, já que se encaixa perfeitamente nos meus horários. Ela entendeu que eu não posso jantar às 20h, já que eu saio do trabalho às 21h. Entendeu também que eu não gosto de comer muito de manhã e dividiu, de forma coerente com o fato de eu estar na faculdade, o meu café da manhã e o meu lanche da manhã. Não deu um escândalo porque eu almoço 13h e não como salada na rua e sim, montou, entre o almoço e o jantar, dois lanches diferentes e simplesmente eliminou a esquisita ceia.
Achei, no geral, uma dieta bem liberal. Batemos um papo sincero sobre o corte do meu nescau matinal... eu disse que não dava, ela disse ser necessário cortar... contei pra ela sobre a minha péssima experiência com os achocolatados diet e cacau em pó na tentativa de substituir o nescau. Acho que ficamos uns 5 minutos discutindo exclusivamente sobre isso, até que ela se sensibilizou com a minha mega dependência do nescau e liberou apenas uma caneca diariamente. Não preciso de mais que isso. O acordo foi firmado. Ok, ok... ela tentou que o nescau fosse ao menos light, mas usei argumentos da economia atual para mostrar que, tomando uma caneca por dia seria inviável comprar o nescau light. Ela riu e deixou passar. Gostei MESMO dela.

E no fim das contas, a dieta era boa. Comprei as coisas que ela me pediu pra comprar e acho que segui corretamente durante a maioria dos dias no mês. Isso começou no início de abril. Em maio, tivemos nossa segunda consulta, logo no início do mês e ela soube de todo o meu descontentamento com o mundo e com a balança. TOTAL DESCONTENTAMENTO.
Fiz tudo direitinho pra engordar??? Sim... engordar!!! Aí conversamos e tal... falei com ela que estaria de férias em maio e que tinha duas alternativas: ou eu engordaria de vez, já que meteria o pé na jaca; ou emagreceria algo a ponto de me deixar motivada pra conseguir emagrecer mais e mais. Fiz a dieta até a metade das férias e engordei 800g. Fiquei muito chateada. Acabei largando um pouco a dieta, não metendo o pé e o corpo na jaca, mas me deixei comer uma pipoca de microondas e um crepe, por exemplo.
Até comi pizza!! Coisa que, em prol da dieta, fiquei sem comer por quase dois meses – believe or not.
Nessa nossa consulta no início (mesmo) de maio, resolvemos não mexer na dieta. Prestes a voltar pro trabalho, fim de férias, resolvi me pesar pra saber quanto havia sido meu prejuízo e constatei que engordei 1,5kg. Aceitei.

Quando eu saí da consulta de maio, já marquei a do mês seguinte, logo no início de junho. E essa consulta de junho foi... SIMPLESMENTE NÃO FOI. Eu não fui. Por diversos motivos, por preguiça, por ter certeza de que não foi um mês bom pro meu corpo, por ter receio de ter restrições na minha dieta... enfim, terei de remarcar. Galinhei, não fui, ASSUMO.

Mas voltando ao tempo atual... agora estou tentando marcar consulta com a nutricionista e com a endocrinologista. Acho que com a nutricionista vai ser menos difícil do que está sendo com a endocrino. Com esta segunda está impossível! O pior é que ela me passou diversos exames, que ficaram prontos e eu deveria mostrar para ela. Quando eu conseguir a consulta, acho que será tarde demais para mostrar os exames e certamente terei de refazê-los. A parte chata é que os exames que me foram passados demoraram quase um mês pra ficar pronto! Enfim...

Quanto aos resultados dos exames! Não poderiam ser... PIORES! Colesterol e triglicerídios altos... mas o açúcar está OK! Enquanto a insulina não para de aumentar.
Além desses resultados ruins, estou tratando minha imunidade, que está baixíssima... acho que por isso fiquei doente boa parte do mês de maio, o que afetou de forma bastante negativa os meus treinos na academia. Minha médica – clínica geral e pneumologista – me passou remédios pra imunidade e de quebra, aproveitou pra dizer que eu estou gorda. Além disso, contei pra ela, de forma resumida, todos esses capítulos da diabetes e ela me disse que a primeira médica que me diagnosticou com diabetes não errou totalmente. Ela disse que a médica errou ao dizer, de forma categórica, que eu estava diabética, mas alguns remédios estavam corretos, já que ela queria mesmo atingir minha insulina, tentando baixá-la. Ok, a Regina não errou completamente, mas ainda não ganhou minhas desculpas completas.

Saí do consultório cheia de remédios – inclusive pra colesterol – e com uma incerteza grande: que porra de doença é essa que me acomete a quase dois meses? Não sei se fico me atendo somente a imunidade, mas estou inclinada a pensar no critério alergia... resolvi investigar. 
Consegui marcar uma consulta num alergista... aguardemos os resultados...

Mas tem mais pitanga pra chorar!!! Academia, dieta, desafios... enfim, to voltando!

quinta-feira, 27 de março de 2014

Diabetes - Capítulo 04

Gente!!! Como assim???
Peraí... passei meses tomando remédios para controle/combate de diabetes e não tenho a doença??? Fiquei até tonta. Aline me explicou que eu tenho uma resistência insulínica, isto é, uma dificuldade da insulina realizar o seu trabalho de favorecer a entrada de glicose nas células. Isso acontece devido a ganho excessivo de peso e má alimentação. É claro, com esse quadro hoje, eu posso ser uma pré-diabética amanhã, mas ainda não significa que estou pré-diabética ou diabética, uma vez que meu açúcar está OK.
Fiquei aliviada, mas preocupada com essa questão da insulina. Nada de preocupações que me deixaram acordada de madrugada, mas o tipo de preocupação que faz pensar na vida que estou levando.

Enfim, exames marcados, devo fazer tudo na semana que vem.
Fiquei feliz em poder a voltar tomar, diariamente, meu nescau matinal com a fatia do meu pão de cenoura favorito. Ainda mantenho a linha, tentando comer pouco e tudo o mais, mas agora sem a mega neura do açúcar e dos biscoitos de água e sal.

Consegui marcar a nutricionista que a Aline me indicou, finalmente! Agora aguardando por mais essa fase!

#Força #Foco #Fé

sexta-feira, 21 de março de 2014

Diabetes - Capítulo 03

As semanas passaram voando e finalmente chegou o dia da consulta (hoje)! Cheguei mais cedo, fiquei na espera e cheguei a cansar! Aparentemente as consultas duravam muito tempo, o que fazia a as consultas seguintes ficarem atrasadas. Não ia desistir só se meu horário chegasse ao limite.
Depois de um tempo aguardando, finalmente chegou a minha vez. Na primeira impressão, no momento das apresentações, fui com ela logo de cara. O sorriso me cativou e aquela vontade de ajudar me pareceu sincera. Dei uma olhada nas paredes e vi diplomas que me deixaram satisfeitas (UFRJ, principalmente), assim como o consultório em si, cheio de informações para o paciente e tudo muito arrumado e limpo.

Comecei contando sobre a descoberta do meu diagnóstico em janeiro, sobre os remédios passados e os enjoos sofridos. Mostrei meus exames e as receitas e prontamente a médica - Aline - começou a ler tudo. Achei esquisito ela ler os exames mais de uma vez, mas entendi como precaução antes de falar qualquer coisa. Ela me explicou como a glicose e a insulina trabalham, me mostrou como o meu corpo está lidando com os altos índices de insulina, me passou exames completos, me indicou uma nutricionista da confiança dela - coisa que eu achei que a minha outra médica deveria ter me passado -, me examinou completamente, me perguntou exatamente o que os remédios me causavam e fiquei bastante otimista.
Por fim, ela me falou a frase que mudaria minha vida completamente: Você NÃO está diabética.

quarta-feira, 12 de março de 2014

[Gordinha's Facts] Academia - tentativa 02

Com essa coisa da minha saúde, resolvi focar mais, nesse período, na minha saúde. Fato é que se eu não tiver saúde, eu não posso estudar/trabalhar...
Finalmente voltei à natação - coisa que eu sempre fiquei enrolando pra voltar - e resolvi fazer mais exercícios, como finalmente voltar a correr e voltar ao Muay Thai. Ajustei todo o meu horário pra isso e enfim, fui colocar os planos em prática.
Um amigo me deu a dica de comprar um elíptico pra substituir a ida a academia, que não pode ser feito sempre e tal. Coloquei a questão pro Marcus que até achou uma boa ideia e resolveu pensar na compra do aparelho para colocar no outro quarto e ficar se exercitando. Claro que pra mim, o elíptico ajuda, mas não faz o que eu quero, ou seja, não é uma esteira, não posso correr e tal e a academia continuava sendo a melhor alternativa.

Antes de colocar, finalmente, a academia como uma alternativa de treino, tentei entrar para um grupo coletivo de corrida afim de fazer um treino funcional, pra melhorar meu condicionamento. O preço era super tranquilo, mas apesar de ser no meu bairro, era necessário pegar ônibus e o valor do ônibus somado ao preço da assessoria aumentava de forma considerável. Acabei desistindo da assessoria e resolvi focar no que estava ao meu alcance e daí vieram as idéias iniciais, o elíptico e a academia.

Já convencida de que o elíptico não substituiria minha vontade de correr, eu deveria mesmo comprar uma esteira, resolvi ir à academia e levar o Marcus junto. Vai que ele curte? Eu já conhecia o local, mas ele não. Fui mais pra me inteirar dos valores e colocar na ponta do lápis quanto me sairia malhar e quanto me sairia o elíptico, levando em consideração que a prática do exercício deveria ao menos tomar 3 dias da minha semana. Por fim, Marcus gostou muito do que viu e acabamos decidindo, no caminho de volta pra casa, que faríamos a inscrição na academia. Juntos, pra um dar apoio para o outro. Tentaríamos sempre fazer os exercícios nos mesmos horários para irmos e voltarmos juntos, pra manter o foco e o objetivo.

Fizemos a matrícula no dia seguinte - dia 11/03, ontem - e aproveitamos pra dar uma corridinha básica na esteira pra sentir o pique. Foi ótimo, deu uma animada no dia e foi bacana ter um parceiro na academia. Serviu pra fortalecer nosso objetivo e funcionou como incentivo, de verdade. Até nossa foto de entrada foi de parceria: tiramos fotos juntos pra um e pro outro! Foi bem bacana mesmo.
Agora é manter! Já que estou com horários interessantes, posso malhar até nos horários da noite! E vou carregar junto comigo sempre que puder!

Agora vem Muay Thai!!!

#Força #Foco #Fé

Diabetes - Capítulo 02

Não acreditei na frase. Sabe aquele momento em que você fala o "hein??" mais sincero da sua vida? Foi um desses momentos. Aí ela me acalmou, me disse que era um estado reversível da diabetes, que a base de medicamentos de curto a médio prazo e alimentação regrada, eu ficaria 100%. Fiquei mais tranquila, mas não menos preocupada.
Ela me passou uma lista grande de remédios e uma dieta. Saí do consultório com o Marcus (namorido) ainda meio incrédula, meio perdida.

Ela me cortou doces, massas, farinhas, refrigerantes... tipo tudo. É super complicado comer na rua e pensar que tenho todas essas limitações. Acho que as únicas coisas zeradas que eu podia comer mesmo, era alface, agrião, rúcula e beber água.
Marcus me apoiou muito. Fizemos mudanças radicais em casa, comprando produtos diet e integrais. Minha conta bancária também ficou assustada, afinal, produtos dietéticos não são baratos. Tentamos comer de forma mais normal possível, fazendo substituições por produtos diet e foi dando certo até certo ponto. Difícil substituir um Nescau, um matte natural... enfim, foram momentos de adaptação bastante difíceis.

E os remédios??? Uma fase mais difícil ainda. Passei a tomar remédios ao longo do dia, alguns ao mesmo tempo e isso me fazia muito mal. O remédio que mais me fazia mal era o da diabetes mesmo. Vomitava, a pressão baixava, as vezes eu sentia que ia apagar... enfim, momentos péssimos, de muita tensão. Além dele, o ansiolítico me fazia ter uma dor de cabeça tão grande, que junto com ele eu tomava diversos outros comprimidos para dor de cabeça.
Lendo a bula dos remédios, vi que os enjoos causados pelo Glifage (remédio da diabetes) seriam temporários, após passada a fase de adaptação que durava em média 10 dias. Fiquei um mês passando mal. Muito. E nesse tempo eu retornei ao consultório na minha médica, expliquei tudo o que estava acontecendo, meus enjoos, falei do glifage, do ansiolítico e da minha alimentação, da dieta que me foi passada e que aparentemente não estava adequada. Ela baixou a dose do meu ansiolítico, não deu jeito no meu glifage e nada disse sobre a minha dieta. Eu não me opus, afinal, ela é a médica.

E continuei passando mal, em alguns dia me sentia bem, mas na maioria me sentia bem mal. Algumas vezes deixei de sair de casa por estar bastante debilitada e aquilo foi me deixando muito tensa. Era o segundo mês de remédio, já querendo ir pro terceiro, e o chamado "período de adaptação" que constava na bula já havia passado. Resolvi tomar algumas decisões - que se mostraram muito acertadas ao fim.
Parei de tomar o ansiolítico que me fazia ter as dores de cabeça e melhorei consideravelmente, mas o glifage eu não podia parar. Mas eu podia procurar outros médicos. Tentei marcar minha consulta com a Dra. Andréia, mas não deu em nada, pra variar, ela não tinha um horário próximo. Uma amiga me indicou a médica dela, também muito requisitada, mas que depois de uma chorada dela no consultório intercedendo a meu favor, consegui uma consulta muito rápida. Ansiedade gritando!!!

terça-feira, 28 de janeiro de 2014

Diabetes - Capítulo 01

Dei uma adiada nesse meu post... uma boa adiada.
Chato começar o ano com uma notícia pesada e tal, mas já falei de coisas boas, de feitos bacanas e agora to pronta pra falar do assunto. É claro que vai ter uma história longa e tal... vou contando aos poucos, vou tentar fazer igual a novela das 21h que vai deixando o clímax sempre pro final do dia, tentando encerrar o capítulo com um fato dramático.

******************************

Fazia tempo que eu procurava uma boa endocrinologista com horário para me atender. Jamais vou me desfazer da Dra. Andréia, mas marcar consulta com ela, mesmo já sendo paciente, é quase uma batalha espiritual. Não costumo ter tempo para batalhas longas, meu negócio é tiro, porrada e bomba.
Finalmente encontrei, após indicação de uma amiga, uma médica nova que era endocrinologista e ortomolecular. Aparentemente gostei dela. A primeira consulta foi ótima, afinal, ela fez todas as perguntas que eu esperava que uma médica fizesse, tipo: TUDO. Quis saber que horas eu como, o que como, o que bebo, quando durmo, se durmo, dentre outras muitas questões.

Já estava na chuva... então resolvi me molhar e contei absolutamente tudo o que eu comia durante o dia. Confessei que minhas tardes eram sempre muito tensas, pois era o horário em que eu beliscava mais e belisquetes são sempre besteiras - sem exceções. Não soube associar meus belisquetes a ansiedade. Nem sempre estou na expectativa por alguma coisa, acho que como simplesmente para passar o tempo, pra mexer a boca, não sei. Só sei que como. Ela me passou uns 21984775298 exames e fiz todos eles dias depois da consulta.

Com o resultado em mãos, procurei ler pra ver se entendia alguma coisa, mas... nada. Eu pude comparar com as taxas esperadas e tal, coisas tabeladas, mas não pude garantir nem afirmar nada quanto a minha saúde, afinal, como a médica mesmo diz, tudo é relativo. A única certeza que tinha era a de que não estava grávida!!!! hahahahahahahahhaha... colocaram um betaHCG pra eu fazer e fiquei muito feliz com o resultado - já sabido e esperado. Além dos exames, ela me passou uns remédios e tal... mas não comecei a tomar nenhum imediatamente, mas comecei a tomar.
Os remédios não eram nada de mais: era óleo de cártamo, um ansiolítico e um outro para absorver gorduras ingeridas. Hesitei em começar a tomar o ansiolítico, o que implicava na não ingestão de bebida alcoólica. 

Enfim passado pouco tempo, voltei ao consultório da médica para entregar os exames. Fiquei um pouco ansiosa na saleta de espera, curiosa com meus exames. Finalmente na minha vez, entrei e entreguei logo o envelope e o rosto da médica começou a ficar mais pesado, com umas linhas preocupadas. Tirei logo o sorriso do rosto e me preocupei também. Ela parou e me explicou um monte de coisas, mas a única frase limpa que consegui ouvir foi: você está diabética.

domingo, 26 de janeiro de 2014

[Gordinha's Facts] Corrida #1 - Circuito do Sol

A primeira prova do ano!
Lembra de que eu só preciso de mim mesma??? Então! Hoje teve uma das provas que mais gosto no ano, não só por ser uma das primeiras, mas também por ser a única que sabe que o calor está em sua mais alta performance e manda CAMISETAS SEM MANGA para os atletas! Adoro essa atenção, esse carinho a mais. Vocês não tem ideia de como é chato ficar levantando a manga da camisa toda hora enquanto corre... E eu nem fiz a inscrição oficial da prova!!! Explico.
Fui vendo os preços das inscrições e achando tudo muito caro. Início de ano, contas extras a pagar e é sempre bom segurar o orçamento, com esse pensamento, pensei em não fazer a inscrição. Em cima da hora, na sexta-feira antes da prova, uma pessoa abriu mão de três kits de corrida e algo em mim me fez entrar em contato com o vendedor pra saber por quanto ele estava vendendo, de quem era... Após rápida conversa, senti que deveria comprar um dos kits e após uma chorada básica no preço, economizei mais de 30 reais com relação a inscrição oficial. Valeu MUITO a pena.
Logo no sábado, cheia de coisas pra fazer, saí de casa, dei um passeio pelo RJ e fui pegar meu kit na casa do vendedor. Após o passeio de ida e volta, não teria coragem de não ir no Circuito do Sol no dia seguinte - a não ser que estivesse caindo um mega dilúvio, o que definitivamente não ocorreu.

Enfim, primeira prova do ano, animação total! Acordei cedo - SOZINHA - e fui ao Aterro do Flamengo. Frisei o "sozinha" pois não marquei com nenhum amigo, o que costuma ser um incentivo a mais para correr, já que eu comprei o kit de última hora e decidi em cima do laço. Cheguei cedo para me arrumar com calma. Claro que com amigos próximos para conversinhas antes da largada é muito melhor e o tempo passa muito mais rápido. Mas aguentei bem, pensei no queria para aquela prova, foquei e fui pra linha de largada.
Comprei o kit de uma pessoa que aparentemente corria bem, já que eu estava para largar num pelotão diferente do meu. Não podia fazer feio.

Dada a largada, deixei os afobados irem na frente, se atropelando sem necessidade e gritando para o público "correr mais rápido". Me alonguei calma - e de certa forma - confortavelmente e parti para a ação. Cruzei a linha de largada já dando pequenos trotes e mantive um certo ritmo por 1'30 até que eu aumentei a velocidade e fui. Senti orgulho de mim mesma quando percebi que já tinha passado o primeiro km e eu ainda estava correndo, tranquila. Para quem não treinou NADA e estava à meses sem correr, foi um excelente feito. Resolvi dividir a corrida entre corrida e caminhada, e no final, eu corri, caminhei e terminei correndo. Não sei dizer quanto fiz de cada coisa, mas uma coisa é certa: os últimos metros foram muito difíceis! Tive cãibra nas duas pernas, quase não consigo cruzar a linha de chegada!

Fiquei um caco, pernas doídas, deitei na grama pra me recuperar - coisa que nunca fiz - e saí dali extremamente satisfeita comigo mesma. Agora é continuar com o foco e iniciar, finalmente, os treinos!

#Foco #Força #Fé


***Não fiz foto da medalha na hora, mas depois coloco aqui pra vcs!

quinta-feira, 2 de janeiro de 2014

2014

Mais um ano começa e a gente se enche de esperança. De que vai ser ótimo, de que tudo vai dar certo, de que o amor vais estar sempre no ar. A gente só esquece de que a mudança tem de começar a partir de nós mesmos, afinal, se nada fizermos, vai ser só mais um dia, mais um novo mês, mais uma simples promessa.

Me perguntaram se eu prometi alguma coisa - sempre me perguntam isso e to começando a achar que fazem um bolão com as minhas promessas pra ver o que cumpri quando o ano termina - respondi que não (normalmente não prometo nada), que a idéia era só me manter comprometida comigo mesma; e acho que é isso que importa né? Cada um tem de saber de si, fazer por onde para si e correr atrás. Do que quiser. E as conquistas serão lucros.

Pra se ter uma idéia, passei boa parte do ano passado querendo correr, mas cismei que precisava de um apoio moral para começar esse meu plano; cismei que preciso de uma pessoa para me incentivar, pra vir junto ao meu lado, incentivando, "batendo palminhas". PQP!!! Não preciso! Passei boa parte do tempo tentando encontrar essa pessoa que julguei ser indispensável nessa minha jornada e até encontrei. Fiquei insistindo para que ela fosse o meu treinador, meu incentivador, e não consegui. Nos últimos dias do ano que acabou de terminar, percebi que não estava pedindo que ele fosse meu treinador e sim, praticamente implorando; aí eu parei e pensei: não preciso disso! Implorar pra pagar uma pessoa pra ficar me incentivando? Não preciso! E tomei a decisão que pode vir a dar uma mudada interessante na minha vida: se quero correr, colocarei meus tênis e correrei, SOZINHA! E assim começarei o ano, aprendendo a correr, sem me esquecer jamais das lições do meu treinador querido - Luciano Torres - ao respirar, ao reduzir e ao aumentar meu rítmo. E a partir daí é só alegria.

Coloquei alguns projetos que dependem exclusivamente deste. Como eu disse, as conquistas serão lucros e eu pretendo lucrar bastante esse ano! Já estou com idéia clara de que eu sou o meu maior sabotador. Sim, se dependo de mim mesma para realizar minhas tarefas, correr atrás do que eu quero... tenho que ir, afinal, se não for, falho comigo mesma.
Então é cada um por si, Deus sempre por todos e foco, força e fé!

#Vem 2014!!!